Arquivo de março \31\UTC 2009

Sobre a ABRADi

Vou externar a minha opinião e com isso provavelmente ganhar mais alguns desafetos.

Hoje foi lançada a ABRADi, que segundo informa o Meio&Mensagem conta com 40 “agências” (aliás, em minha opinião a maioria são produtoras e não agências, por isso as haspas).

O IAB tem entre os filiados 40 produtoras, grandes agências offline e online(sem haspas) e as especializadas em search marketing. Entre elas, algumas também compõe o quadro associativo da ABRADi e seus diversos capítulos regionais.

Além disso, representando as agências (com e sem haspas) temos a ABEMD, que conta com diversas agências de marketing direto, o Grupo de Mídia, que reúne os profissionais de mídia das agências, e a ABAP.

Respeito todos os profissionais envolvidos na criação da ABRADi, pois eu mais que ninguém sei o quanto o trabalho associativo pode ser desgastante, mas o que uma nova entidade pode oferecer que todas as outras que estão por aí não podem (ou poderiam, pois a atuação da ABAP em relação a internet é nula)?

E dou um exemplo prático: me contaram que hoje no lançamento da ABRADi foi dito que será criada uma tabela referência de custos de produção para o Governo Federal e também cartilha para normatização de concorrências.

Ora, coincidência ou não, esta discussão já está acontecendo no Comitê de Agências do IAB há algum tempo, inclusive com a participação de empresas que compõe a diretoria da ABRADi.

O IAB está discutindo com o CENP a certificação de agências interativas. Será que a nova entidade vai levantar essa bandeira também?

Não seria muito mais proveitoso unir esforços em vez de dividir?

1 comentário

A armadilha das métricas

ESPN Brasil, Bayern de Munique vs. Hertha Berlin.

Comentarista: “O Hertha não vence o Bayern desde a década de 30”.

Claro, porque depois da II Guerra (1939-1945) Berlin ficou na Alemanha Oriental e Munique na Ocidental. Eles só voltaram a se enfrentar após a queda do Muro, no final da década de 80.

Esse é o tipo de informação ridícula e inútil que assola as transmissões esportivas atualmente.

A analogia vale para a internet: se você não sabe analisar/valorizar adequadamente a informação que tem em mãos e não sabe o que medir, de nada dianta usar Google Analytics, Maestro, Omniture, DART, OAS, Atlas, etc.

Deixe um comentário

De volta a vida associativa

Aprendi a valorizar muito o trabalho associativo, pois é a única forma de ajudar o mercado a se desenvolver, além ser uma satisfação pessoal participar de decisões importantes.

Tudo começou em 2001, quando assumi a diretoria de Cursos da antiga AMI(Associação de Mídia Interativa). Em outubro de 2002 fui eleito presidente da AMI, reeleito em 2004 e, no final da segunda gestão, transformamos a entidade em IAB Brasil.

Recentemente servi como co-Chairman do Latino Working Group da SEMPO.

Hoje estou no Conselho do IAB e participo de alguns comitês de trabalho.

Agora recebi um novo desafio, que é assumir a Diretoria de Tecnologia e Inovação da APP (Associação dos Profissionais de Propaganda).

A APP é bem conhecida por organizar o FestUp, o maior festival universitário do Brasil.

Espero agora, sob a presidência do Paulo Chueiri, poder mais uma vez colaborar para o desenvolvimento do nosso mercado.

A nova diretoria foi eleita ontem por aclamação para um mandato de 2 anos.

1 comentário

Finalmente um Top 10 oficial de anunciantes

Finalmente estreou a versão do Ibope Monitor com dados de publicidade online. Mesmo sem incluir dados de search marketing – assim como o Projeto Intermeios não contempla – sem dúvida é uma ótima notícia para o mercado.

Com ele temos uma lista dos dez maiores anunciantes da internet brasileira, que são, pela ordem:

1º Bradesco – R$ 221.628.000
2º Itaú – R$ 100.862.000
3º Ford – R$ 72.368.000
4º Sansung – R$ 59.915.000
5º Fiat – R$ 58.869.000
6º Unilever – R$ 54.263.000
7º Coca-Cola – R$ 51.043.000
8º Sky – R$ 43.667.000
9º Volkswagen – R$ 38.306.000
10º Brasil Telecom – R$ 37.451.000

Se compararmos esta lista com a publicada pela Meio Digital veremos que a revista foi bastante precisa em sua estimativa, já que consideraram também os números de links patrocinados, que ficaram de fora do Ibope Monitor, como já frisei acima.

Além do Monitor Evolution – nome oficial do produto – o Ibope também lançou outras novidades para o mercado de internet.

Algumas curiosidades:

1. As conversas sobre a versão online do Monitor começaram quando eu ainda era presidente da AMI (hoje IAB Brasil), com a ajuda da Cristina Rother, que era (e ainda é) responsável pela área de métricas da entidade.

2. Com 2 clientes (Fiat e Sky, além de Bradesco que hoje é da Age mas era da Click no perído analisado) no Top 10 dos anunciantes, a AgênciaClick confirma o que o mercado já sabia informalmente: é a maior compradora de mídia online do país; e a JWT (Ford e Coca-Cola) vem muito bem, também com 2 clientes no Top 10.

3. A Unilever, segundo maior anunciante do país, é apenas o sexto na internet (mesmo assim me surpreendeu ao entrar no Top 10) e Casas Bahia, o maior investidor em publicidade do Brasil, nem figura entre os dez maiores (mas isso pode mudar com sua entrada no e-commerce).

1 comentário

TV se mostra 60% mais eficiente que internet e mídia impressa

Sobre o resultado em si, nenhuma novidade: esta pesquisa trata de brand awareness, que sempre foi o ponto forte da tv.

Mas para mim o mais interessante não é o resultado em si, mas o fato de que o meio televisão agora precisa se justificar e mostrar sua eficiência, algo impensável ( e teoricamente desnecessário) há 10 ou 15 anos atrás.

Deixe um comentário

Skittles e Twitter: de uau para baubau

Pois é, não durou muito…

Hoje na home de Skittles em vez do Twitter ao vivo está a página dos fãs da marca no Facebook.

Naturalmente a mudança deve-se ao abuso de twits “spam” detonando a marca.

David Berkowitz, diretor da 360i e um dos meus colunistas favoritos de SEM, fez uma bela análise da iniciativa em seu blog.

Ele lembra inclusive que o site tem apenas 15 mil visitas por mês, contra os ditos mais de 500 mil fãs no Facebook. Ou seja, o site corporativo é o que menos interessa, está lá pra cumpri tabela e garantir que a URL não seja tomada por concorrentes ou pessoas de má fé com a Marca.

O Twitter ainda está lá, mas meio escondido: basta clicar em “chatter” no widget da marca no canto superior esquerdo.

1 comentário

Skittles e Twitter: uau!

Não costumo comentar websites bacanas aqui, deixo isso para os especialistas como Ric Figueira, Rapha, Tullio e Michel.

Mas este merece ( e até pq ninguém comentou ainda…rs).

Skittles rendeu-se totalmente ao Twitter.

Uau, porque os twits não estão sendo moderados, tudo o que se fala sobre a marca no Twitter está lá no site, em tempo real.

Vale a pena acompanhar o desenrolar nos veículos do trade e no twitter, porque vai dar o que falar. O projeto é da Agency.com, salvo engano. estratégia.

2 Comentários

%d blogueiros gostam disto: