Arquivo de outubro \25\UTC 2006

É ruim, hem!

Um dos grandes benefícios da publicidade online é poder controlar para quem sua peça será exibida e definir quantas vezes uma pessoa será impactada, o que no jargão chamamos de frequência.

Com isso é muito fácil evitar exageros como o “quer pagar quanto?” que assolou a tv aberta e por assinatura até recentemente.

Mas infelizmente tem agência e anunciante que não pensa assim e simplesmente ignora os benefícios da tecnologia.

Por exemplo, veja a campanha abaixo. Como se o formato não fosse suficiente para chamar a atenção, ainda fizeram o seguinte:

1. O áudio da peça inicia automaticamente e a trilha é o tema de “2001 uma Odisséia no Espaço”. Resultado: cada vez que entro no site, a agência inteira olha para minha mesa.

2. Ela está sendo exibida indiscriminadamente, desperdiçando impressões: entrei no site mais de 10 vezes e em todas ela apareceu. Em TODAS as visitas eu fechei a peça no terceiro acorde. E mesmo assim eles continuam mostrando a campanha para mim…

3 Comentários

Ibope Monitor: ainda sem publicidade online

O Caderno Propaganda&Marketing divulga esta semana os dados atualizados do Ibope Monitor. Junto com o Projeto Intermeios, é um importante balizador do mercado publicitário nacional.

Enquanto o Intermeios trabalha com valores líquidos, o Monitor usa preço de tabela para medir o mercado. Outra grande diferença é que o Monitor, ao contrário do Intermeios, não inclui dados de publicidade online.

O IAB Brasil e o Ibope bem que tentaram, mas infelizmente não houve acordo com os portais para fazer esta divulgação. É um grande problema para o mercado online: agências e anunciantes usam o monitor em seu planejamento, pois nele você consegue ver os investimentos do seu segmento, inclusive da concorrência.

Deixe um comentário

Picaretas.com.br?

O domínio http://www.youtube.com.br foi comprado em janeiro de 2006 pela empresa carioca EConsult.

Porém, acredite se quiser: o domínio http://www.econsult.com.br não é da EConsult! É da empresa All System, de Curitiba.

Já o domínio http://www.allsystem.com.br adivinhem…não é da All System!

Mais curioso ainda é que o email de contato das duas empresas são gratuitos.

E não pára por aí: se você acessar http://www.youtube.com.br irá conhecer o site Feminice. Quem é o dono do domínio http://www.feminice.com.br? Não, não é a EConsult, mas sim uma empresa chamada Aceleradora.com, que por sua vez não é a dona de http://www.aceleradora.com.br, que pertence a Alcom.

Porém, apesar dos CNPJs diferentes, Aceleradora.com e Alcom registram a mesma pessoa como contato. E tem mais: o domínio http://www.alcom.com.br pertence a outra empresa, porém com o mesmo nome de contato.

Faça o teste você mesmo no Registro.br e confira.

6 Comentários

Google deve abocanhar 25% da mídia online nos EUA

Segundo artigo do Market Watch que menciona estudo do eMarketer, o Google deve tornar-se a primeira empresa a abocanhar 25% dos investimentos em mídia online nos EUA.

O mercado norte-americano deve chegar a 16 bilhões de dólares este ano e a estimativa é que a receita prevista do líder dos buscadores atinja 4 bilhões de verdinhas.

E tem gente que ainda acha que links patrocinados – que responde por 99% da receita do Google – não funciona…

Deixe um comentário

O maior negócio da Web2.0

Parece nome de filme pornô, mas é título da matéria da revista Época desta semana sobre a venda do YouTube.

Estou eu lá, falando besteira e dando meu ponto de vista.
🙂

Deixe um comentário

Cabral Quer Descobrir

http://youtube.com/v/vw3mpw3h6FI
O programa Comercial&Companhia estreiou esta semana um novo quadro: Cabral quer Descobrir.
A apresentação é do Pedro Cabral, Presidente, sócio e fundador da AgênciaClick.
O formato está bem dinâmico e acho que o pessoal do MSN vai ficar bem feliz com ele.

Confiram.

Deixe um comentário

Google e YouTube: não resisti

Confesso que não pensava em postar nada sobre a compra do You Tube pelo Google, já que o assunto vem sendo exaustivamente debatido pela imprensa. Mas, como está todo mundo dando palpite, resolvi brincar de futurologia também.

Na minha modestíssima opinião foi apenas uma compra de oportunidade: antes que a concorrência – Yahoo, NewsCorp- o fizesse, o Google deu o bote.

Em relação às diversas especulações pela web afora, podemos excluir algumas imediatamente:

– O YouTube já exibe os links patrocinados do Google, por isso podemos excluir compra de inventário/audiência como motivador.

– O Google Vídeo está aí, mas ao contrário de outras aquisições feitas pelo Google no passado, onde empresas como a Keyhole e Urchin viraram respectivamente Google Earth e Google Analytics, a marca YouTube é mais forte que a do Google (Vídeo), por isso é improvável que neste caso haja mudança de nome e consolidação em torno da marca Google (Vídeo).

– As pessoas também especulam que um dos motivos seria exibição de comerciais antes dos vídeos ou links patrocinados que levem a vídeos, em vez de websites. Não acredito, até porque isso não é nenhuma novidade. Além disso, lembre-se que o Google já tem um produto chamado Click to Play. Nele você clica no link patrocinado e vai para um vídeo e não um site.

Conclusão: O Google já deixou claro que pretende expandir o modelo de links patrocinados a outros meios – vide o teste de venda de publicidade em revistas no modelo de leilão e a aquisição de uma empresa que comercializa espaços em rádio. Acho que é mais ou menos por aí, afinal o YouTube pode ser um excelente balão de ensaio para um modelo de comercialização de filmes comerciais no sistema de leilão.

2 Comentários

%d blogueiros gostam disto: