IAB, OPA, OLGA, SEMPO, WOMMA, MMA… estas são algumas das entidades que participaram de painéis nos dois dias de palestras aqui em New York. A meu ver é fragmentação demais, mas é o preço que se paga por ter um mercado online tão competitivo como o norte-americano.

No Brasil as diversas vertentes da mídia interativa ainda estão representadas por uma única entidade – o IAB Brasil. Porém, algumas produtoras de site já criaram uma associação própria, assim como ontem soube do surgimento de outra voltada ao mobile marketing.

Para fazer crescer o bolo online no Brasil acredito ser mais eficiente concentrar os esforços. Quando o mercado amadurecer e os investimentos forem mais significativos fará sentido surgir entidades que representem as verticais da indústria. Mas agora, estou seguro que união é fundamental.

“Dividir para conquistar” não me parece a melhor estratégia neste momento. É mais fácil sermos ouvidos pelos anunciantes se tivermos uma só voz.