Afinal, que *$#@%!? é Web 2.0?

Se você quer ser cool e moderno hoje em dia, você tem que falar sobre Web 2.0

Mesmo que você não saiba bem o que quer dizer ou qual a origem da expressão, cada dia mais pessoas incluem o termo em suas conversas, palestras, apresentações e claro, blogs.

Eu, que sou cool e moderno 🙂 não poderia ficar para trás. Então vamos lá:

Na época da “bolha” os bancos de investimento usavam a Teoria dos 4Cs(Content, Community, Costumer Care,Commerce) para avaliar se um projeto “.com” seria bem sucedido ou não.

A meu ver, Web 2.0 não é nada mais que isso: uma “teoria” para avaliar empresas de acordo com uma nova realidade da internet, que hoje é muito mais colaborativa do que há cinco anos atrás.

Mas qual a origem efetiva do termo e o que ele implica?

Nem todo mundo sabe, mas o termo Web 2.0 foi cunhado por Tim O’Reilly e Dale Dougherty. Eles consideram que o “estouro da bolha” marcou o fim de uma era (Web 1.0) e tudo que veio então pode ser considerado Web 2.0 . A partir daí eles criaram uma conferência (nada bobos…), que já caminha para sua terceira edição em 2006, e o termo virou um fenômeno de marketing viral com mais de 48.100.000 de resultados em uma busca no Google. O resto é história.

A “teoria” Web 2.0 baseia-se em 7 pontos principais que reproduzo aqui em sua redação original em inglês:

1. The Web As Platform
2. Harnessing Collective Intelligence
3. Data is the Next Intel Inside
4. End of the Software Release Cycle
5. Lightweight Programming Models
6. Software Above the Level of a Single Device
7. Rich User Experiences

Basedo nesses conceitos, os autores consideram empresas como Google, eBay, iTunes, Amazon e Napter como cases típicos de Web 2.0, enquanto que DoubleClick, BarnesandNoble.com, Akamai e Britannica Online são os “expoentes” da Web 1.0 .

Uma coisa que pouco se fala por aí é que Reilly e Dougherty consideram tanto DoubleClick quanto Akamai como dois grandes pioneiros da Web 2.0 . Afinal, se um dos mais fortes conceitos da nova internet é “A Web é uma plataforma”, sem dúvida estas duas empresas foram das primeiras a levar essa idéia adiante, se levarmos em conta o serviço de ad serving prestado pela DoubleClick e a maneira com que a Akamai soluciona o problema de tráfego para entrega de conteúdo.

Mas nem tudo são flores no mar da Web 2.0 . Há críticos ferrenhos e o principal deles é Nicholas Carr que argumenta que a dupla Tim/Dale defende o “Culto ao Amadorismo” e coloca em cheque o papel dos blogs no jornalismo moderno e principalmente a confiabilidade de um dos ícones da teoria, a Wikipedia.

Para que você possa criar suas próprias convicções, recomendo a leitura do artigo “What is Web 2.0” onde Tim Reilly esclarece ponto a ponto os seus conceitos. E, para completar, experimente The Amorality of Web 2.0, o libelo de Nicholas Carr.

  1. #1 por Diogo Lopes em 21/01/2006 - 02:13

    Parabens pelo blog…Qual é o endereco do seu feed?vc pode me enviar essa info por email?diogoweb @ gmail . comabcs,Diogo Lopes

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: