Arquivo de setembro \29\UTC 2011

Um diz que sim, outro diz que não. E um terceiro diz que ainda não.

Esse é o debate entre os institutos de pesquisa sobre quem é o líder das redes sociais no Brasil, Orkut ou Facebook?

Segundo o Ibope divulgou no início de setembro, o Facebook pos fim ao reinado do Orkut.

Na semana seguinte a comScore disse que não: o Orkut ainda é o líder no Brasil.

Aí no DigitalAge hoje a Hitwise disse que ainda não: o Facebook só vai passar o Orkut em janeiro de 2012.

Tá fácil né?

Quem perde com isso é o mercado online, pois enquanto o uso de redes sociais não para de crescer – seja quem for o maior – o anunciante fica perdido, sem entender os números e metodologias. E segue investindo na televisão, onde ele sabe direitinho quem é quem.

, , , ,

Deixe um comentário

Adnetworks&exchanges: as notícias da semana

E aqui vão algumas das principais notícias da semana de 18-24 de setembro. Boa leitura

E não é que a parceria entre AOL, Yahoo e Microsoft pode dar certo!

Uma boa análise sobre o grande anúncio da parceria entre os 3 grandes portais norte-americanos. Leia em inglês no Digiday.

Otimizando CTR na rede display

Não que CTR seja métrica de sucesso, mas eis algumas dicas de como melhorá-lo em suas campanhas na rede do Google. Em português.

Glam Media compra o Ning

A Glam é uma das top 10 audiências nos EUA e uma adnetwork verticais mais antigas do mercado. Agora dá mais um passo em sua expansão ao adquirir o Ning, uma das principais soluções para construção de plataformas sociais. Leia o release completo em inglês.

Novo white-paper da Audience Science sobre venda de audiências

Baixe, leia, estude. Vale a pena.

Display mais Social na versão Google

Google vai incluir o botão +1 em anúncios servidos da rede display ou mesmo fora delas. Uma boa opção para combinar os esforços de paid media com earned media. Confira a novidade no Click Z.

EZTarget certificada pelo IAB EUA

A EZTarget, rede de publicidade do Terra, é a primeira focada no mercado hispânico norte-americano a ser certificada pelo IAB EUA dentro dos padrões exigidos pela entidade em seu guideline de adnetworks&exchanges. Aliás, com isso ela é a primeira a operar no Brasil a obter esta certificação. Leia mais em inglês.

HiMedia quer competir com o Google na Europa

Em entrevista o CEO da empresa, Cyril Zimmerman confirma parceria com a AppNexus para lançar uma adexchange. O objetivo? Ser uma alternativa ao Google. Leia a entrevista completa em inglês.

MediaMath amplia plataforma para incluir anúncios do Facebook

Uma das principais DSPs do mercado, a MediaMath agora permite que vc gerencie suas campanhas no facebook dentro da mesma plataforma onde você faz suas compras de mídia display. Leia mais no AdAge.

, , , , , ,

Deixe um comentário

Caras-pintadas X Caras-pintadas.com

11 de agosto de 1992: 10 mil jovens reúnem-se em frente ao MASP, em São Paulo, para protestar contra corrupção do governo Collor. Foi o primeiro ato do movimento que ficou conhecido como os Caras-Pintadas.

7 de setembro de 2011: 700 pessoas comparecem ao MASP em um ato contra a corrupção, enquanto por volta de 12 mil pessoas reúnem-se para a Marcha contra a Corrupção, na esplanada dos ministérios em Brasília.

Voltando a 1992: dia 14 de agosto o Presidente Collor, em um pronunciamento televisado, convoca os brasileiros a usar verde-amarelo no domingo, dia 16 do mesmo mês. O tiro sai pela culatra e milhares de jovens e adultos do Brasil inteiro saem às ruas de preto, em protesto contra a corrupção. Foi a explosão do movimento dos Caras-Pintadas. Algumas semanas depois 400 mil jovens tomaram o Anhangabaú em protesto.

Já em 20 de setembro de 2011: 2 mil pessoas marcham contra a corrupção na Cinelândia, no Rio de Janeiro, em ato convocado via internet.

Além dos 19 anos que separam as duas datas, há um outro fato muito importante: a internet. E mais importante ainda, o fenômeno das redes sociais.

Em 92 não havia internet, consequentemente nem Facebook, Twitter, blogs e Orkut. Milhares saíram às ruas.

Em 2011, mesmo com as redes sociais bombando no Brasil, mobilizar a sociedade civil não está sendo fácil, apesar de no mundo virtual, milhares de pessoas confirmarem presença em diversos atos de protesto.

Por que?

Porque, como escrevi em um artigo em março deste ano, tuitar é fácil, fazer é que é difícil. É politicamente correto  e muito simples apoiar causas clicando no botão “Curtir”, colocar hashtags de protesto no Twitter, citar escritores famosos. Ir às ruas é bem diferente.

E não estou aqui para negar a influência das redes sociais, seria ingenuidade de minha parte. Até mesmo uma incoerência, já que sou grande entusiasta do Facebook e do Twitter. Mas precisamos relativizar a importância das coisas.

Os movimentos da sociedade civil existem desde sempre e não depende das redes sociais, ao contrário do que pregam “inovadores” e “especialistas”. As pessoas vão se mobilizar, se comunicar independente da plataforma existente naquele momento.

Mas uma coisa não muda nunca: se você não tem uma liderança forte, que represente um ideal comum, é impossível mobilizar as pessoas.

Bem ou mal, em 1992 você tinha a UNE e o carismático Lindberg Farias, que liderava o movimento estudantil.

Hoje? Hoje não há uma liderança constituída, até pela própria natureza das redes sociais, que primam pela descentralização. Some-se a isso o estado de letargia que o brasileiro vive frente os diversos atos de corrupção que assolam o país há anos. E, para completar, a descrença da sociedade na classe política: qual deles tem moral para liderar um movimento deste porte?

Quem são os blogs mais populares do Brasil? Kibe Loco, NãoSalvo, Sedentário Hiperativo, além de outros que existem apenas para fazer dinheiro via ofertas do Mercado Livre e links patrocinados. O conteúdo deles não é nem sombra do que foi um Pasquim, por exemplo.

Quem é o mais influente do Twitter? Rafinha Bastos. O que ele pode fazer para mobilizar a sociedade civil, além de contar piadas e tuitar por dinheiro?

Por que no Brasil não surge um Huffington Post? Que aliás, vai lançar uma versão em português, porque não conseguimos criar um veículo online que trate de política e economia com a mesma força do HP.

O fato é que, desculpe o trocadilho, a blogosfera e a “redesocialsfera” brasileira ainda são uma piada em termos de ativismo político. E, se depender exclusivamente delas, não veremos tão cedo um movimento como os de 1992.

, , ,

1 comentário

O pedido de desculpas da Netflix

Minha conta na Netflix é nos EUA, por isso recebi – assim como todos os clientes –  um email do CEO comentando as mudanças pelas quais a empresa vem passando. Pra quem tem a conta brasileira não há o que se preocupar, pois aqui eles oferecem apenas o serviço de vídeo on demand.

Achei interessante a forma como a carta foi escrita, na primeira pessoa. Apesar disso, ela vem sendo recebida com diferentes visões pelo mercado, na maioria das vezes como sendo uma última tentativa de reverter o processo de fritura que a empresa vem passando. De qualquer forma, vale a leitura.

Dear Marcelo,

I messed up. I owe you an explanation.

It is clear from the feedback over the past two months that many members felt we lacked respect and humility in the way we announced the separation of DVD and streaming and the price changes. That was certainly not our intent, and I offer my sincere apology. Let me explain what we are doing.

For the past five years, my greatest fear at Netflix has been that we wouldn’t make the leap from success in DVDs to success in streaming. Most companies that are great at something – like AOL dialup or Borders bookstores – do not become great at new things people want (streaming for us). So we moved quickly into streaming, but I should have personally given you a full explanation of why we are splitting the services and thereby increasing prices. It wouldn’t have changed the price increase, but it would have been the right thing to do.

So here is what we are doing and why.

Many members love our DVD service, as I do, because nearly every movie ever made is published on DVD. DVD is a great option for those who want the huge and comprehensive selection of movies.

I also love our streaming service because it is integrated into my TV, and I can watch anytime I want. The benefits of our streaming service are really quite different from the benefits of DVD by mail. We need to focus on rapid improvement as streaming technology and the market evolves, without maintaining compatibility with our DVD by mail service.

So we realized that streaming and DVD by mail are really becoming two different businesses, with very different cost structures, that need to be marketed differently, and we need to let each grow and operate independently.

It’s hard to write this after over 10 years of mailing DVDs with pride, but we think it is necessary: In a few weeks, we will rename our DVD by mail service to “Qwikster”. We chose the name Qwikster because it refers to quick delivery. We will keep the name “Netflix” for streaming.

Qwikster will be the same website and DVD service that everyone is used to. It is just a new name, and DVD members will go to qwikster.com to access their DVD queues and choose movies. One improvement we will make at launch is to add a video games upgrade option, similar to our upgrade option for Blu-ray, for those who want to rent Wii, PS3 and Xbox 360 games. Members have been asking for video games for many years, but now that DVD by mail has its own team, we are finally getting it done. Other improvements will follow. A negative of the renaming and separation is that the Qwikster.com and Netflix.com websites will not be integrated.

There are no pricing changes (we’re done with that!). If you subscribe to both services you will have two entries on your credit card statement, one for Qwikster and one for Netflix. The total will be the same as your current charges. We will let you know in a few weeks when the Qwikster.com website is up and ready.

For me the Netflix red envelope has always been a source of joy. The new envelope is still that lovely red, but now it will have a Qwikster logo. I know that logo will grow on me over time, but still, it is hard. I imagine it will be similar for many of you.

I want to apologize again to those members, both current and former, who felt we treated them thoughtlessly.

Both the Qwikster and Netflix teams will work hard to regain your trust. We know it will not be overnight. Actions speak louder than words. But words help people to understand actions.

Respectfully yours,

-Reed Hastings, Co-Founder and CEO, Netflix

p.s. I have a slightly longer explanation along with a video posted on our blog, where you can also post comments.

, ,

Deixe um comentário

Adntworks&exchanges: confira as principais notícias da semana

E vamos ao nosso resumão semana, com os destaques de 11 a 17/09.

Microsoft, Yahoo e AOL em união inédita

3 dos principais portais norte-americanos criaram o que na prática pode ser considerado uma adnetwork  adexchange,  já que vão compartilhar inventários. Já pensou se UOL, iG e Terra unem-se em algo semelhante por aqui? Ou Globo, Yahoo e MSN? Leia a história no All Things Digital. E mais detalhes no Digiday.

Adnetworks: mercado segue forte

Contrariando diversas previsões – especialmente no Brasil – mercado de adnetworks segue crescendo e inovando. O Advertising Age publicou um bom artigo assinado por Ari Paparo, da Appnexus.

Microsoft estréia na Inglaterra novo formato film strip

O IAB lançou uma iniciativa chamada Rising Starts, para criação de novos padrões de campanhas display. A Microsoft estreou um desses formatos na Inglaterra. Confira os detalhes no post do blog da Microsoft Advertising.

Real Time Bidding: porque isto muda tudo na mídia digital

Ainda não sabe o que é RTB? Corra atrás, começando por este artigo.

InMobi recebe investimento de 200 milhões de dólares

Uma das principais adnetworks mobile, a InMobi recebeu um belo aporte do Softbank, tradicional investidor do mercado de mídia online. Detalhes no MediaPost.

, , , , ,

Deixe um comentário

Adnetworks&exchanges: as principais notícias da semana

Nesta segunda edição, as principais notícias da semana de 4-10/09. Boa leitura.

Como as agências SEM podem enfrentar o desafio de adaptar-se a mídia display?

Comenta-se muito que as agências SEM são as melhores adaptadas para enfrentar os desafios da compra de mídia display em tempo real, via RTB e adexchanges, pois são modelos semelhantes a links patrocinados. Ok, mas e na criação? Afinal não estamos falando apenas de palavras-chave e links de texto, mas sim de imagens. Será que elas darão conta do recado? Leia em inglês a opinião de 7 executivos de importantes SEMs dos EUA.

Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa.

O Google traçou linhas bem claras: AdMob é para desenvolvedores mobile, Adsense ara publishers mobile. Entenda mais lendo este post no blog em inglês

Microsoft investe de olho no mercado DSP, via Atlas

A Atlas é uma das principais soluções para gestão de campanhas, voltada a agências e anunciantes. A Microsoft agora oferece dentro da plataforma Atlas ( Atlas Technology Partner Alliance lançada em 2009) um canal exclusivo para integração de plataformas DSP com as soluções da Atlas. Confira matéria da Bloomberg, em inglês.

Dave Morgan fala sobre o futuro do display advertising

Morgan é um pioneiro da publicidade online, fundador da RealMedia, que depois foi adquirida pela 24/7, e da Tacoda. Atualmente está envolvido com addressable television e tem criticado bastante a mídia online. Vale a leitura, em inglês.

Enquanto isso, na China…

O mercado de publicidade online é pouco desenvolvido: faltam dados consistentes, padronização e display recebe pouco investimento. Leia mais em inglês sobre o panorama da China.

Engajamento: comScore comprova a eficiência e valoriza a criação

Mais um estudo mostrando que há vida além do clique. Em inglês, para ler e guardar.


, , , , ,

Deixe um comentário

Tendência para o futuro: SoLoMo

A organização do Digital Age 2.0, com o apoio da Hotwords, gravou vídeos com alguns dos principais executivos de mercado, que falaram sobre o que mudou nestes últimos 5 anos de internet e quais as tendências pro futuro.

São “pílulas” de um minuto. Este aqui é o meu.

, ,

Deixe um comentário

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.505 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: